Notícias

Briga entre filho de Renato Russo e integrantes da Legião continua

Disputa se estende por anos

A eterna disputa de forças entre o filho de Renato Russo, Giuliano Manfredini, e os integrantes da Legião Urbana, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá ganhou um novo capítulo nesta semana. E desta vez foi parar na página policial.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro fez a apreensão de 91 itens da banda incluindo fitas cassete, fitas master e CDs que estariam extraviados de acordo com uma notícia-crime feita por Giuliano Manfredini, herdeiro do falecido cantor da Legião Urbana.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo o guitarrista da Legião Urbana, Dado Villa-Lobos comentou a operação que recebeu o nome de “Tempo Perdido”: “Não é Renato Russo, é Legião Urbana”, diz Dado sobre fitas apreendidas. “Isso me pertence, pertence ao Bonfá e ao Renato Rocha” completou o músico que ainda classificou a operação como “bizarra” e “estranha”.

O material foi apreendido na última quarta-feira, 9 de dezembro, em um galpão alugado pela gravadora Universal Music, detentora dos fonogramas da Legião Urbana, localizado no bairro Cordovil no Rio de Janeiro. O material conteria, supostamente, músicas inéditas do grupo, algo que o guitarrista Dado Villa-Lobos nega. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo ele disse: “não há músicas inéditas, mas sim registros históricos de sobras, ensaios e material inutilizado e uma versão de Juízo Final, do Nelson Cavaquinho, que era para ter entrado no disco ‘Disco’, mas não entrou”. O músico comentou também sobre uma suposta versão reggae de “Faroeste Cabloco”, que, de acordo com ele não existe é apenas uma parte da música original que tem o levada reggae.

De acordo do uma reportagem do Jornal Nacional, os itens apreendidos foram entregues a Giuliano por determinação judicial. O filho de Renato disse ao jornal Folha de São Paulo que operação é apenas um desdobramento na busca por materiais extraviados do apartamento do pai. “Nas pesquisas que conduzimos (para uma exposição) com o Museu da Imagem e Som, tem lacunas que não conseguimos preencher. É claro que houve materiais extraviados, ocultados” diz Manfredini. O jovem de 31 anos afirma ainda: “É para isso que a gente vai fazer essa análise (das fitas) para ver se tem algo desse material ali no meio. Analisar o conteúdo, catalogar, armazenar, e aí decidir o que fazer. Mas sempre respeitando a lei”.

A disputa entre Giuliano Manfredini e os integrantes da Legião Urbana já dura anos. Durante muito tempo Dado e Bonfá foram impedidos de utilizar o nome da banda em apresentações ao vivo. Diversos lançamentos póstumos foram engavetados ou modificados em razão da disputa entre as partes.

2 comentários

Deixe uma resposta