fbpx
Notícias

Max Cavalera relembra como aprendeu inglês traduzindo músicas de suas bandas favoritas 

Vocalista cita Black Sabbath, Motörhead e U2 como algumas das influências no seu aprendizado

Max Cavalera (Sepultura, Soufly) concedeu uma entrevista ao site Loudwire em que comenta como ele desenvolveu a habilidade de escrever músicas em inglês. O músico deixou a escola aos 12 anos de idade, por isso, seu aprendizado se deu a partir da tradução de músicas das bandas que ouvia. “Os álbuns eram meu verdadeiro professor de inglês”, relembrou o músico. 

O cantor e guitarrista brasileiro contou que aprendeu inglês traduzindo letras de músicas de grupos como Black Sabbath, Motörhead, AC/DC, Iron Maiden, Judas Priest, Ramones, Sex Pistols e U2. “Foi muito divertido passar horas de palavra por palavra com o dicionário e formando as frases”, explicou. 

Ele cita como exemplo a faixa “Dancing On Your Grave”, da banda do falecido Lemmy Kilmister: “É por isso que eu tinha o nome da banda Sepultura”. O músico relembra outras duas músicas que serviram de referência direta para a sua antiga banda: “Sunday Bloody Sunday”, do U2, e “Sabbath Bloody Sabbath”, do Black Sabbath, que deram origem ao clássico “Roots Bloody Roots”, do álbum “Roots”, de 1996. 

Do grupo liderado por Bono, Max chegou a utilizar frases de “New Year’s Day” em “Beneath The Remains”, do Sepultura. Ele quase se derrete em elogios ao cantor irlândes: “Um disco que traduzi que foi muito influente foi ‘War’ do U2. Eu amo as letras de Bono – ele é um grande letrista, especialmente naquela antiga era do U2 de ‘October’, ‘War’ e ‘Joshua Tree’.  

Com o Motörhead, Max Cavalera aprendeu junção de palavras, a partir da música “Orgasmatron”, regravada pelo Sepultura no álbum “Arise”, de 1991. Músicas como “Straighthate”, “Dictatorshit” (Sepultura), “Karmageddon”, “Downstroy” (Soulfly) surgiram desse conceito. “Achei Lemmy um grande letrista, e ele nunca recebeu crédito por isso”, disse Max. “As letras são brutais, mas lindamente escritas”, acrescentou. 

Você pode conferir a entrevista completa, em inglês, clicando AQUI.

Leia também:

Deixe uma resposta