Notícias

Motörhead: entrevista inédita revela que Lemmy considerou acabar com a banda

Votação realizada pela revista NME quase convenceu Lemmy Kilmister a acabar com o Motörhead antes do lançamento do primeiro álbum.

Lemmy Kilmister, líder do Motörhead, nos deixou em 2015, e hoje seu legado para o rock é inquestionável. No entanto, a banda não era uma unanimidade entre os fãs do estilo quando surgira em 1975. O grupo foi eleito naquela época como a “Melhor Pior Banda do Mundo”, em uma votação promovida pela revista NME.

A opinião dos leitores da publicação chegou a abalar a moral de Lemmy Kilmister e ele planejou acabar com a banda antes do lançamento do primeiro álbum, chegando, inclusive, a marcar um show de despedida, que felizmente não aconteceu. A revelação veio à tona mais de quatro décadas depois com a publicação de uma entrevista até então inédita, realizada em 1981.

Motörhead: entrevista inédita revela que Lemmy considerou acabar com a banda
Foto: Motörhead/reprodução

A revista Metal Hammer resgatou em sua edição mais recente, uma entrevista realizada pelo jornalista Malcolm Dome com o vocalista e baixista do Motörhead, no início da década de 80, e nela ele explica porque considerou acabar com a banda. A conversa foi conduzida originalmente para a revista irlandesa Hot Press, mas nunca foi publicada.

 “Nada estava acontecendo para nós. Tínhamos feito um álbum para a United Artists que eles se recusaram a lançar [On Parole, finalmente lançado em 1979]. Parece que eles esperavam que fizéssemos um álbum pop ou algo assim. Além do mais, a empresa não nos deixaria sair do contrato com eles. Tínhamos feito um single para Stiff. Saindo daqui. E o UA bloqueou sua liberação. Então, sentimos que não havia para onde ir.”, disse Lemmy Kilmister (via Classic Rock).

O músico revelou que um show de despedida chegou a ser agendado, mas não aconteceu pelo ‘descuido’ de um amigo e isso foi decisivo para o futuro da banda.

“Nós até marcamos um show de despedida no The Marquee em Londres e eu perguntei a Ted Carroll, que é dono da Chiswick Records e era meu amigo, se ele gravaria isso”, disse o líder do Motörhead.

Ele então acrescentou: “A sorte estava do nosso lado, porque ele não conseguiu levar o equipamento para o clube e, para compensar, [ele] nos ofereceu dois dias no estúdio. Gravamos todo o álbum do Motörhead. Isso saiu em 77, porque nessa época o contrato com a United Artists havia acabado e, de repente, estávamos no caminho certo. ”

Sobre o fato de o Motörhead ter sido eleito “Melhor Pior Banda do Mundo”, Lemmy foi irônico: “Pelo menos eles admitiram que éramos os melhores em alguma coisa”.

Leia também:

Deixe uma resposta