Notícias

Max Cavalera diz que Bolsonaro “abraça as coisas negativas com orgulho”

Músico concedeu entrevista em que fez comentários sobre a política brasileira

Max Cavalera, vocalista do Soulfly, concedeu uma entrevista ao podcast Landry.audio e um dos tópicos da conversa foi a política brasileira, em especial o presidente Jair Bolsonaro, cujo músico compara com Donald Trump e o classifica como alguém que “abraça as coisas negativas com orgulho”.

Apesar de morar em Phoenix, Arizona desde 1992, Max Cavalera vez ou outra comenta a política do seu país de origem. Ele parece atento e preocupado com os rumos que o Brasil vem tomando (via Blabbermouth):

“Eu assisto muito – sempre que posso – artistas brasileiros em podcasts e coisas assim, e foi realmente chocante ouvi-los dizer que no Brasil há famílias que estão sendo divididas por causa desse cara, porque metade da família gosta dele, a outra metade não gosta dele, eles se dividem, eles não se falam”, disse o músico.

Max acredita que o poder no Brasil corrompe as pessoas, que com Bolsonaro a situação é ainda pior:

“Sou o primeiro a dizer – isso eu sei com certeza – que quase todo mundo que chega ao poder no Brasil vai imediatamente para a corrupção”, continuou.

“É quase como um vírus; é como uma doença; é como uma doença de presidente. O Brasil não pode ter um presidente bom, até ele tenta ser; não pode. Mas parece que esse cara é ainda pior. Porque ele é meio como Trump, ele abraça as coisas negativas com orgulho – ele tem orgulho de matar pessoas, ele tem orgulho de destruir os índios. É meio assustador porque ele tem orgulho dessas coisas”.

Em seguida, o ex-vocalista do Sepultura partiu para um a crítica mais genérica à classe política como um todo e expressou a sua ojeriza:

“Para mim, não conheço nenhum político. Nunca conheci nenhum político. Não quero conhecer nenhum político. Na minha opinião, todos são canalhas. Nenhum deles realmente quer ajudar”.

Ele também relembrou como esse tema já apareceu em suas músicas:

“Eu cantei sobre isso no álbum ‘Primitive’ do Soulfly em 2002: ‘Back to the primitive, Fuck all the politics’ [citando os versos da música “Back to the Primitive]. Eu estava me referindo a toda a política – incluindo a política da música. Eu realmente acho que é uma carreira em que você quase nunca cuida das pessoas. Você tem corrupção – começa a corromper e pode ficar rico com isso, e você só faz por si mesmo, e pronto, cara. E enquanto isso, todos os pobres ainda estão morrendo, os problemas nunca estão resolvidos.

Max Cavalera lança no dia 11 de junho o primeiro álbum do Go Ahead and Die, banda formada com o seu filho Igor Amadeus Cavalera (voz, baixo e guitarra) e o baterista norte-americano Zach Coleman.

O álbum mais recente do Soulfly foi “Ritual”, de 2018.

A entrevista completa está disponível o player abaixo:

Leia também:

5 comentários

Deixe uma resposta