Notícias

Baixista emite comunicado após demissão do Megadeth

Demissão do músico foi anunciada na segunda-feira (24)

O baixista do Megadeth, David Ellefson, emitiu um comunicado nesta quarta-feira (26) após ter sido demitido do grupo na última segunda-feira (24) por causa das acusações de assédio contra uma jovem supostamente menor de idade e também pelo vazamento de um vídeo intimo.

O comunicado de David Ellefson foi enviado à redação da revista Rolling Stone e nele o baixista afirma, mais uma vez, que as acusações são falsas, classificou a divulgação do vídeo íntimo como “pornografia de vingança” e que trabalha junto com a polícia na investigação.

Confira o posicionamento do David Ellefson:

Recentemente, um vídeo muito privado foi postado ilegalmente na Internet e falsas alegações foram feitas contra mim. As ações no vídeo foram entre dois adultos consentindo e foram gravadas sem meu conhecimento.

Estou trabalhando com o Departamento de Polícia de Scottsdale na investigação das acusações de ‘pornografia de vingança’ (‘revenge porn’) contra a pessoa que postou este vídeo. Além disso, meus advogados estão preparando uma ação por difamação contra essa pessoa. Essa pessoa será processada em toda a extensão da lei. Estou aproveitando este tempo para estar com minha família. Desejo aos meus companheiros de banda o melhor em sua próxima turnê“.

Entenda o caso de David Ellefson

O baixista do Megadeth, David Ellefson, foi acusado por um perfil anônimo no Instagram de assediar uma jovem menor de idade. Posteriormente, um outro perfil divulgou vídeos íntimos do músico praticando atos sexuais em uma videochamada. A mulher envolvida na gravação usou a mesma rede social para negar ser menor de idade e afirmou que seu envolvimento com o baixista aconteceu de forma consensual.

Tanto o baixista quanto a banda emitiram comunicados em suas redes sociais no mesmo dia que a denúncia veio à tona. David Ellefson negou as acusações, enquanto o grupo afirmou que estava ciente das informações divulgadas e que acompanhava de perto a situação.

Leia também:

1 comentário

Deixe uma resposta