fbpx
Notícias

Morrissey pede que Johnny Marr pare de usar seu nome em entrevistas

Ex-vocalista dos Smiths se envolveu em uma nova polêmica

Bigmouth strikes again! Fazia um  tempinho que não surgia uma polêmica envolvendo Morrissey, ex-vocalista dos Smiths. O hiato acaba de chegar ao fim. O cantor publicou uma carta aberta em seu site direcionada ao guitarrista Johnny Marr e lhe fez um pedido: “pare de usar meu nome como isca de cliques”. Na sequência, seu ex-parceiro de banda respondeu de forma irônica no Twitter

Morrissey inicia o seu texto tentando demonstrar preocupação em não ser grosso, embora seu esforço seja em vão como verá mais adiante. “Um pedido educado e calmamente medido: você poderia parar de mencionar meu nome em suas entrevistas?”, diz o cantor. 

Morrissey compara política de isolamento social à escravidão
Foto: Morrissey/reprodução

Em seguida, ele endurece o discurso enfatizando o fato de ambos não convivem há muito tempo: “O fato é: você não me conhece. Você não sabe nada da minha vida, minhas intenções, meus pensamentos, meus sentimentos. No entanto, você fala como se fosse meu psiquiatra pessoal com acesso consistente e ininterrupto aos meus instintos.”

Depois, o vocalista deixa transparecer uma espécie de síndrome de perseguição: “Você deve persistentemente, ano após ano, década após década, me culpar por tudo… desde o tsunami de 2007 nas Ilhas Salomão até o drible no queixo de sua avó?”

Morrissey continua: “Você me achou inspirador o suficiente para fazer música comigo por 6 anos. Se eu fosse, como você afirma, um monstro tão desagradável, onde exatamente isso o deixou? Seqüestrado? Mudo? Acorrentado? Abduzido por extraterrestres vesgos? Foi VOCÊ quem tocou guitarra em ‘Golden Lights’ – não eu.”

O velho Moz termina sua carta esquecendo completamente que havia prometido ser educado: “Chega um momento em que você deve assumir a responsabilidade por suas próprias ações e sua própria carreira, com a qual desejo que você desfrute de boa saúde. Pare de usar meu nome como isca de clique. Eu nunca ataquei seu trabalho solo ou sua vida solo, e aplaudi abertamente sua genialidade durante os dias de ‘Louder than bombs’ e ‘Strangeways, here we’, mas você se posicionou sempre pronto como rent-a. – citar sempre que a imprensa exige uma inclinação feia sobre algo que eu disse pela metade durante o último período glacial, quando o rio Colorado começou a esculpir o Grand Canyon. Por favor pare. É 2022, não 1982.”

O motivo do ataque Morrissey e a resposta de  Johnny Marr

Aparentemente, o que motivou a fúria de Morrissey contra Johnny Marr foi uma entrevista recém concedida pelo guitarrista à Uncut Magazine, dentro das atividades de promoção do seu novo disco solo, “Fever Dreams Pt 1-4”, que será disponibilizado na íntegra em fevereiro. 

“É uma maneira simplista de colocar as coisas, mas uma das razões pelas quais eu estive em tantas bandas foi porque eu queria ser leal a elas”, disse Marr. “Não será nenhuma surpresa quando eu disser que sou muito próximo de todos com quem trabalhei – exceto o óbvio. E isso não é uma surpresa porque somos tão diferentes, eu e Morrissey. Mas todos esses músicos diferentes, eu posso pegar o telefone para qualquer um e continuar de onde paramos”, disse Johnny Marr que depois dos Smiths trabalhou com uma extensa lista de nomes, dentre eles, The Cribs, Modest Mouse, Nile Rodgers, Bernard Sumner do New Order, Billie Eilish e o compositor Hans Zimmer

Johnny Marr, ex-Smiths, anuncia álbum dupla e compartilha single
Foto: Johnny Marr/reprodução

Enquanto Morrissey foi prolixo em sua missiva, Johnny Marr  foi econômico – e irônico – em sua resposta via Twitter: “Uma ‘carta aberta’ não existe desde 1953, é tudo ‘mídia social’ agora. Até Donald J Trump tinha isso. Além disso, esse negócio de notícias falsas… um pouco 2021, sim?” A mensagem finaliza com a hashtag “#makeindiegreatagain”. 

Johnny Marr responde carta de Morrissey no Twitter.

Leia também:

Deixe uma resposta